A poesia pode ter milhares de formas. Milhares de cores. Pode ser negra como o estado de espírito, verde como a vontade, dourada como a magia ou vermelha como o sangue. Pode ser lida ou cantada, lenta e erótica, veloz e arrasadora. Mas pode também não ser nada. Apaixonadamente, nada.

quarta-feira, abril 27, 2005

Lógica

Posso jurar-te que não,
Que não é verdade,
Que tudo o que pensas
É apenas um reflexo
Do que sempre acreditaste.
Se te jurar que nada fiz,
Que não fui intermediário
Ou mandatário,
Esqueces?
Se te mostrar por A+B
Que o C
É apenas uma letra,
Acreditas?
E se esconder,
Limpar,
O sangue da arma
Que tenho na mão,
Duvidarás
Se será
O teu?